Polícia reprime ato contra Temer; Governo convoca tropas federais

A Polícia Militar do Distrito Federal reprimiu de forma violenta a marcha que reuniu centrais sindicais e movimentos sociais nesta quarta-feira 24 em Brasília. Os manifestantes pedem a saída do presidente Michel Temer e eleições diretas, além de serem contra as reformas trabalhista e da Previdência que tramitam atualmente no Congresso Nacional.

 

A PM ou o Corpo de Bombeiros ainda não confirmam números, mas há dezenas de feridos entre os manifestantes, principalmente atingidos por balas de borracha, e seis policiais feridos. De acordo com o portal UOL, há pelo menos um ferido grave, que perdeu parte da mão.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou que o presidente Michel Temer decretou a “ação de garantia da lei e da ordem” na Esplanada dos Ministérios e, com isso, tropas federais passarão a reforçar a segurança na região.

Jungmann fez um pronunciamento por volta das 16h30. “O senhor presidente decretou, por solicitação do senhor presidente da Câmara, a ação de garantia da lei e da ordem e, nesse instante, tropas federais se encontram nos palácios do Planalto e do Itamaraty e logo mais estarão chegando tropas para assegurar que os prédios dos ministérios sejam mantidos incólumes”, anunciou o ministro da Defesa.

Segundo o ministro, a manifestação era pacífica, mas “degringolou na violência, no vandalismo, no desrespeito, na agressão ao patrimônio público e na ameaça às pessoas”.

Incêndio em Ministério

Imagens mostradas pelo canal a cabo GloboNews mostraram um incêndio dentro do prédio do Ministério da Agricultura. O fogo só foi extinto por volta das 16h. Segundo a emissora, todos os ministérios da Esplanada dos Ministérios foram evacuados e há danos também nos ministérios do Turismo, Fazenda, Planejamento e Minas e Energia. Há notícias ainda de uma invasão no Ministério da Cultura, onde manifestantes teriam roubado documentos e computadores e os jogado na rua, e de um novo foco de incêndio no Ministério da Fazenda.

De acordo com a organização do ato, cerca de 800 ônibus com manifestantes de todo o Brasil chegaram a Brasília até a manhã de hoje e o ato se concentrou no Estádio mané Garrincha. Por volta das 11h30 a passeata teve início com o objetivo de chegar ao Congresso e à Praça dos Três Poderes.

Um forte esquema de segurança, porém, impedia o avanço dos manifestantes, que forçaram a passagem já nas proximidades do Congresso, por volta das 13h30. Em retaliação, a polícia usou bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha para conter a multidão. Há forte divergência entre os números, uma vez que a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal fala em 35 mil pessoas e os organizadores do evento falam em 150 mil.

fogo.jpg

Focos de incêndio ao longo da Esplanada dos Ministérios (Agência Brasil)

Durante a marcha, líderes sindicais anunciaram no carro de som que nenhum mascarado ia entrar no movimento. “Estamos de olho”, anunciaram e pediam que quem estiver com o rosto coberto que tirasse a máscara. No entanto, imagens veiculadas pelos meios de comunicação e nas redes sociais mostram vários manifestantes com os rostos cobertos e armadas com pedaços de madeira.
Prédios da Esplanada dos Ministérios foram danificados durante o ato. Um manifestante com o rosto coberto pichou “Diretas Já” na fachada do prédio de Minas e Energia. No Ministério da Fazenda, vidros foram quebrados e os servidores, dispensados. Banheiros químicos e grades dispostas ao longo da via também foram derrubados.

Mesmo após dispersar boa parte do ato, por volta das 15h a Polícia continua jogando bomba contra os manifestantes nas vias S1 e N1, nos arredores da Esplanada dos Ministérios. Mesmo assim, novos grupos continuavam a chegar no gramado central da Esplanada. Confronto

Congresso Nacional

Parlamentares de partidos da oposição se juntaram à marcha por volta de 13h e subiram em um dos carros de som que cruzava a Esplanada dos Ministérios, mas disseram que só iam discursar quando estiverem na frente do Congresso. No momento de confronto, alguns deles – como os deputados Chico Alencar (Psol-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e os senador Paulo Paim (PT-RS) – sofreram os efeitos da forte repressão policial ao serem atingidos pelo gás lacrimogênio.

Dentro do Senado, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) anunciou em Plenário que vai formalizar pedido para que a Presidência do Senado solicite da Polícia Militar do Distrito Federal mais respeito no tratamento com os manifestantes. A senadora contou que estava em um carro de som no início desta tarde e presenciou o início dos confrontos entre pessoas presentes à manifestação e os policiais.

“Podíamos ver uns 50, 60 homens mascarados com paus na mãos. Eu falei do caminhão, pedi para que não usassem máscara porque ali só tinha pais e mães de família, só tinha trabalhadores”,  relatou a senadora. Vanessa acredita que essas pessoas foram infiltradas na manifestação para causar confusão e a polícia respondeu imediatamente de forma violenta.

Na Câmara, a sessão deliberativa do plenário foi suspensa e encerrada apósprotesto dos partidos de oposição ao governo que criticavam a ação da policial durante manifestação que ocorre na Esplanada dos Ministérios. Alguns líderes partidários ocuparam a mesa do plenário da Câmara gritando “Diretas Já, o povo quer votar”.

O líder da minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), disse que a polícia agrediu inclusive parlamentares que participavam do protesto e pediu o fim da sessão do plenário. “A força bruta não pode substituir a democracia (….) Por isso, eu peço o encerramento da sessão”, declarou.

Na tribuna, o líder do DEM, Efraim Filho (PB), rebateu as críticas e disse que a polícia também foi agredida. Ele pediu que os parlamentares voltassem a trabalhar. Ao ocupar a mesa do plenário, os oposicionistas estenderam uma faixa com a frase “Fora Temer”. O deputado Mauro Pereira (PMDB-RS) arrancou a faixa das mãos dos deputados, o que provocou certo tumulto. Durante a confusão ouviu-se também no plenário gritos de “Lula na cadeia”, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente da sessão, deputado André Fufuca (PP-MA), tentou manter o andamento dos trabalhos, mas decidiu suspender e depois encerrar os trabalhos.

Com informações da Agência Brasil

Manifesto bloqueia BR-316 entre Floresta e Petrolândia, no Sertão de Pernambuco

Uma manifestação de produtores rurais bloqueou a BR-316 na manhã desta quinta-feira (18) com máquinas agrícolas entre as cidades de Floresta e Petrolândia, no Sertão de Pernambuco. Uma longa fila de veículos está se formando na rodovia desde 3h30. Não há previsão de término do protesto que até a publicação desta matéria seguia de forma pacífica.

De acordo com informações recebidas pelo Blog do Elvis, o protesto acontece devido a uma suposta ameaça de desligamento das bombas de água que abastecem a agrovila em Icó Mandantes pela Codevasf. A reportagem solicitou um posicionamento oficial da instituição, mas ainda não obteve retorno.
Confira a galeria de fotos abaixo:
protesto br-316 entre floresta-pe e petrolandia-pe (5)
protesto br-316 entre floresta-pe e petrolandia-pe (4)
protesto br-316 entre floresta-pe e petrolandia-pe (3)
protesto br-316 entre floresta-pe e petrolandia-pe (2)
Mais informações a qualquer momento.
 
Via Blog do Elvis/NE10

Dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha, diz jornal

Segundo o colunista Lauro Jardim, de ‘O Globo’, informação faz parte do conteúdo da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Depoimentos também citam Aécio Neves e Guido Mantega.

 

O presidente Michel Temer, durante entrevista à Rede Vida (Foto: Marcos Corrêa/PR)

 Os donos do frigorífico JBS disseram em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), depois que ele foi preso na operação Lava Jato. A informação é do colunista do jornal “O Globo” Lauro Jardim.

Segundo o jornal, o empresário Joesley Batista entregou uma gravação feita em março deste ano em que Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Lourdes (PMDB-PR) para resolver assuntos da J&F, uma holding que controla o frigorífico JBS. Posteriormente, Rocha Lourdes foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil, enviados por Joesley

Em outra gravação, também de março, o empresário diz a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. Diante dessa informação, Temer diz, na gravação: “tem que manter isso, viu?”

Na delação de Joesley, o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, é gravado pedindo ao empresário R$ 2 milhões. A entrega do dinheiro a um primo de Aécio foi filmada pela Polícia Federal (PF). A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que foi depositado numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

Nem Temer nem Aécio se manifestaram ainda sobre a declaração. A defesa de Eduardo Cunha informou que não se pronunciará.

Segundo o jornal, em duas ocasiões em março deste ano Joesley conversou com Temer e com Aécio levando um gravador escondido.

O colunista conta que os irmãos Joesley e Wesley Batista estiveram na quarta-feira passada no Supremo Tribunal Federal (STF) no gabinete do ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin – responsável por homologar a delação dos empresários. Diante dele, os empresários teriam confirmado que tudo o que contaram à PGR em abril foi de livre e espontânea vontade.

Joesley contou ainda que seu contato no PT era Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma Rousseff. Segundo “O Globo”, o empresário contou que era com Mantega que o dinheiro da propina era negociado para ser distribuído aos petistas e aliados, e também era o ex-ministro que operava os interesses da JBS no BNDES.

Cunha

Joesley disse na delação que pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após sua prisão na Lava Jato. O valor, segundo o jornal, seria referente a um saldo de propina que o deputado tinha com o empresário.

Joesley Batista disse ainda que devia R$ 20 milhões por uma tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.

Investigação

Segundo o jornal, pela primeira vez a PF fez “ações controladas” para obter provas. Os diálogos e as entregas de dinheiro foram filmadas e as cédulas tinham os númjeros de série controlados. As bolsas onde foram entregues as quantias tinham chips de rastreamento.

Durante todo o mês de abril, foram entregues quase R$ 3 milhões em propina rastreada.

O jornal informou que as conversas para a delação dos irmãos donos da JBS começaram no final de março. Os depoimentos foram coletados do início de abril até a primeira semana de maio. O negociador da delação foi o diretor jurídico da JBS, Francisco Assis da Silva, que depois também virou delator.

Globo.com G1

Quatro gatunos morrem em tentativa de assalto a Ônibus da Progresso em Cabrobó

Na noite desta segunda-feira dia (08), por volta das 23:30, quatro gatunos morreram após tentarem assaltar um ônibus da Progresso que fazia a linha Petrolina-PE à Paulo Afonso-BA, na BR-428 próximo ao Assentamento Jiboia, na zona rural de Cabrobó, no Sertão de Pernambuco.
Segundo informações, um policial do Estado de Sergipe estava entre os passageiros e reagiu a tentativa de assaltado entrando em confronto com os meliantes. O policial conseguiu alvejar os gatunos, onde três deles foram a óbito ainda dentro do ônibus. Um quarto integrante do bando também foi atingido e encontrado morto nas proximidades (caatinga).

Os corpos dos criminosos foram identificados como sendo de DEUSIVAN BRITO DO NASCIMENTO, de 20 anos, natural de Cabrobó-PE, WANGLEYSON OLIVEIRA DOS SANTOS, de 24 anos, natural de Cabrobó-PE, WANDERSON JOSÉ DA SILVA, de  22 anos, natural de Cabrobó-PE, e ROBSON PEREIRA DOS SANTOS, de 17 anos, natural de Cabrobó-PE. Um quinto integrante que estava em um veículo modelo VW UP TAKE se evadiu do local e até o momento não foi localizado.

Blog: O Povo com a Notícia

Entenda o cálculo da aposentadoria pelo texto aprovado na Comissão da Câmara Relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) foi aprovado por 23 votos a 14; veja simulações para cumprir os requisitos da aposentadoria pelo INSS e para servidores públicos.

Comissão Especial da reforma da Previdência na Câmara aprovou nesta quarta-feira (3) o parecer do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) com mudanças nas regras da aposentadoria e outros benefícios previdenciários. O texto ainda precisa ser aprovado pelo Plenário da casa em dois turnos de votação antes de passar para o Senado.

O relator fez mudanças de última hora no parecer para incluir os policiais legislativos federais na mesma regra dos policiais federais, que poderão se aposentar com uma idade mínima menor, de 55 anos.

A principal novidade da proposta é a criação de uma idade mínima progressiva que chegará a 65 anos para homens e a 62 anos para mulheres no INSS, além exigir pelo menos 25 anos de tempo de contribuição. A proposta cria ainda um pedágio de 30% sobre o tempo que faltar para atingir 30 anos de contribuição para elas, e 35 para eles.

Como descobrir o ano da aposentadoria

1º PASSO

Responda quantos anos faltam para cumprir o tempo de contribuição de 30 anos para as mulheres e 35 para os homens. Depois, multiplique esse tempo faltante por 1,3, para descobrir o pedágio que terá que “pagar”.

2º PASSO

Some este tempo para descobrir o ano em que terá cumprido o pedágio.

3º PASSO

Consulte a tabela da idade mínima progressiva. No ano em que você tiver cumprido o pedágio, o aumento progressivo da idade (1 ano a cada dois anos) não é mais aplicado.

EXEMPLO: uma mulher com 20 anos de contribuição tem 10 anos para chegar ao tempo que falta, de 30 anos. Portanto, ela terá que contribuir por mais 13 anos (30% sobre os 10 anos restantes). Neste caso, ela terá cumprido o pedágio em 2030. Supondo que ela tenha hoje 45 anos de idade, ela terá 58 anos em 2030. Neste ano, a idade mínima para as mulheres será de 59 anos, portanto ela terá que esperar até o ano seguinte (2031) para ter esta idade.

 (Foto: Artte G1)   

(Foto: Artte G1)

Como calcular o percentual da aposentadoria

O cálculo do valor da aposentadoria também muda e estimula o trabalhador a contribuir por mais tempo para evitar uma perda maior do benefício. Na prática, quanto mais tempo o trabalhador esperar para receber o benefício, maior será a progressão do valor.

Isso forçaria um tempo mais longo na ativa para quem quiser receber mais, até chegar à aposentadoria integral com 40 anos de contribuição. A proposta original do governo previa 49 anos de trabalho para obter 100% do benefício.

1º PASSO

Descubra com quantos anos de contribuição você poderá se aposentar (faça o cálculo com base no passo a passo acima). Com o tempo mínimo de 25 anos de contribuição, você receberá 70% da média de todas as suas contribuições. Com 40 anos, receberá 100% deste valor.

2º PASSO

Some 1,5 ponto percentual para cada ano a partir dos 25 de contribuição. A partir dos 31, some 2 pontos percentuais e, a partir dos 36, some 2,5 pontos percentuais.

EXEMPLO: Quem se aposentar com 26 anos de contribuição, receberá 71,5% do valor do benefício. O segurado do INSS que se aposentar com 35 anos de contribuição terá direito a 87,5% do benefício.

(Foto: Arte/G1)

Para os que se aposentarem com tempo de contribuição entre 25 anos e 33 anos, a proposta aprovada prevê uma redução maior do benefício em relação ao texto original do governo. A partir dos 34 anos de contribuição, o valor do benefício fica maior pela proposta atual.

Trabalhadores rurais e servidores

O texto estabelece aposentadoria rural aos 60 anos de idade, se homem, aos 57 anos de idade, se mulher, e 15 anos de tempo de contribuição para o trabalhador rural da economia familiar. A contribuição será feita sobre o salário mínimo com alíquota igual ou menor que a do trabalhador urbano de baixa renda (MEI). A contribuição sobre a produção, vigente na regra atual, valerá por 24 meses após a aprovação da proposta.

A proposta original do governo, enviada em dezembro ao Congresso, previa que os trabalhadores rurais se aposentassem aos 65 anos de idade e com tempo mínimo de 25 anos de contribuição.

Para os servidores, a proposta prevê idade mínima progressiva de 62 anos para mulheres e de 65 anos para homens, assim como propõe para o regime geral.

Veja abaixo simulações feitas pela vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Adriane Bramante, caso a proposta do deputado Arthur Maia entrasse em vigor:

EXEMPLO 1

Mulher, 45 anos, 20 de contribuição, INSS

Em qual ano essa pessoa terá a idade mínima para se aposentar?

Ela completará os requisitos de idade, tempo de contribuição e pedágio em 2030. Como faltam 10 anos para completar os 30 anos, aplica-se o pedágio de 30% sobre os 10 anos, resultando num tempo de 13 anos com o pedágio (3 anos de pedágio).

Qual será o tempo de contribuição para conseguir se aposentar, considerando o pedágio de 30%?

O tempo necessário será de 33 anos de tempo de contribuição e 58 anos e 06 meses de idade, sendo os 3 anos o pedágio de 30%.

Qual percentual do benefício essa pessoa vai receber (considerando seu tempo de contribuição ao se aposentar)?

Com 33 anos, receberá um percentual de 83,5%, calculados sobre a média aritmética simples de TODAS as contribuições desde a competência 07/94

EXEMPLO 2

Homem, 50 anos, 25 de contribuição, INSS

Em qual ano essa pessoa terá a idade mínima para se aposentar?

Ele completará os requisitos de idade, tempo de contribuição e pedágio em 2030. Como faltam 10 anos para completar os 35 anos, aplica-se o pedágio de 30% sobre os 10 anos, resultando num tempo de 13 anos com o pedágio (3 anos de pedágio).

Qual será o tempo de contribuição para conseguir se aposentar, considerando o pedágio de 30%?

O tempo necessário de contribuição será de 38 anos de tempo de contribuição e 63 anos de idade, sendo os 3 anos o pedágio de 30%.

Qual percentual do benefício essa pessoa vai receber (considerando seu tempo de contribuição ao se aposentar)?

Com 38 anos, receberá um percentual de 95%, calculados sobre a média aritmética simples de TODAS as contribuições desde a competência 07/94.

EXEMPLO 3

Mulher, 51 anos, 23 de contribuição, servidora pública

Em qual ano essa pessoa terá a idade mínima para se aposentar?

A servidora completará os requisitos de idade, tempo de contribuição, pedágio de 30% em 2026, mas precisará ainda contar com 20 anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em que se der a aposentadoria.

Qual será o tempo de contribuição para conseguir se aposentar, considerando o pedágio de 30%?

O tempo necessário de contribuição será de, no mínimo, 32 anos, 01 mês e 06 dias de tempo de contribuição e 56 anos e 08 meses de idade, mas mesmo completando a idade antes, não terá os demais requisitos de tempo e de pedágio exigidos pela regra. Isso somente será implementado em 2026, quando estiver com 60 anos de idade.

Qual percentual do benefício essa pessoa vai receber (considerando seu tempo de contribuição ao se aposentar)?

O percentual será de 100% da média se ingressou no serviço público até 31/12/2003. Se ingressou depois, o percentual será de 81,5% da média de todas as contribuições desde 07/94.

EXEMPLO 4

Homem, 39 anos, 15 de contribuição, servidor público

Em qual ano essa pessoa terá a idade mínima para se aposentar?

Nesse caso, considerando o tempo de contribuição de 15 anos, terá que contribuir com mais 26 anos e chegará aos 65 anos de idade. Não caberá mais a regra de transição dos casos calculados anteriormente. Ele cairá na regra permanente que exige 65 anos de idade (que completará em 2043), que lhe exigirá pelo menos 25 anos de tempo de contribuição, sendo ainda exigido no mínimo dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em que for concedida a aposentadoria.

Qual será o tempo de contribuição para conseguir se aposentar, considerando o pedágio de 30%?

Não tem sentido o pedágio nesse caso, pois ele já completou o tempo mínimo de contribuição de 35 anos.

Qual percentual do benefício essa pessoa vai receber (considerando seu tempo de contribuição ao se aposentar)?

Se contribuir até os 65 anos, terá 41 anos de tempo de contribuição e alcançará 100% da média aritmética simples das remunerações e dos salários de contribuição.

Assista ao programa do G1 com o professor de Direito Previdenciário, Daniel Pulino, sobre as mudanças propostas pelo relator Arthur Maia:

Programa G1

Cabroboense acusado de assalto a bancos é morto após troca de tiros com a polícia de Aragarças, em Goiás

Um elemento considerado de alta periculosidade foi morto agora pouco em troca de tiros com a Polícia Militar de Goiás (PM-GO) na cidade de Aragarças-GO. Carlos Jardiel de Barros Dantas, vulgo “Jardiel Cabeção”, de 40 anos, natural da cidade de Cabrobó,  no Sertão pernambucano, estava numa caminhonete Hilux com placas de Brasília quando empreendeu fuga de policiais que estavam em dois carros descaracterizados.

Os policiais informaram que o bandido reagiu e perto da rua 1 no setor Araguaia acabou batendo num meio-fio quando foi alvejado. “Jardiel Cabeção”, segundo informações, era procurado pela polícia por envolvimento em vários assaltos à bancos em diversos estados. Um deles aconteceu na cidade de Bom Jesus da Lapa-BA, onde morreram dois policiais. Carlos Jardiel de Barros Dantas, estava com uma identidade falsa, com o nome de José Carlos de Souza.

 

O delegado Ricardo Galvão esteve no local acompanhando a chegada da perícia e colhendo mais informações. “Trata-se de um elemento perigoso e estava sendo monitorado pela Polícia Federal e pela PM-GO. Na manhã de hoje o suspeito foi encontrado perto do aeroporto e saiu em fuga sendo alcançado nesse ponto da rua 1” explicou Galvão.

Logo mais informações:

Blog: O Povo com a Notícia

Via: Araguaia Notícia

Cantor de arrocha morre após colidir em animal solto na pista

O cantor de arrocha Emanuel Santana Carmo, 35 anos, mais conhecido como Neto Lima, morreu na madrugada desta segunda-feira (17) nas proximidades do povoado de Barrajado, no município de Aporá. A moto que ele pilotava colidiu com um animal solto na rodovia. Apesar de estar de capacete, não sobreviveu ao acidente. Ainda não se sabe quem era o dono do animal solto na pista.

O cantor de arrocha Emanuel Santana Carmo, 35 anos, mais conhecido como Neto Lima, morreu na madrugada desta segunda-feira (17) nas proximidades do povoado de Barrajado, no município de Aporá. A moto que ele pilotava colidiu com um animal solto na rodovia. Apesar de estar de capacete, não sobreviveu ao acidente. Ainda não se sabe quem era o dono do animal solto na pista.

GLOBO.COM G1

CORREIO